Projeto Grand Challenge Scholars Program tem o objetivo de preparar profissionais capacitados para enfrentar os grandes problemas da humanidade no Século XXI

São Paulo, setembro de 2020 - O Instituto Mauá de Tecnologia (IMT) é a décima oitava Instituição de Ensino Superior fora dos EUA autorizada a oferecer aos seus alunos o Programa GCSP (Grand Challenges Scholars Program), cujo objetivo é desenvolver competências específicas em futuros profissionais, no caso de Engenharia, Design e Administração em formação no Centro Universitário, para enfrentar os problemas mais relevantes da Humanidade. Esses problemas foram identificados por especialistas da NAE e agrupados nas grandes áreas de Sustentabilidade, Saúde, Segurança e Bem-Estar. O objetivo é permitir que no final do Século XXI a sociedade deixe como legado aos seus descendentes o planeta Terra onde seja possível viver plenamente, de forma agradável e com equilíbrio na relação com o meio ambiente.

O Prof. Dr. Joseph Youssif Saab Junior - Engenheiro Mecânico e Coordenador do Programa GCSP no IMT - lembra que a Engenharia sempre aplicou ciência e arte para resolver problemas muitas vezes, porém,  de escopo limitado. "A NAE entende que a Engenharia precisa mudar um pouco o foco e atacar problemas de escala global para assegurar que todos os habitantes do planeta tenham acesso a um ambiente equilibrado, desfrutem de saúde e segurança e, dessa forma, passem às novas gerações a alegria de viver", diz o prof. Joseph.

O Pró-Reitor Acadêmico da Mauá, prof. Dr. Marcello Nitz, também reforça a importância da participação contundente dos engenheiros na solução de problemas globais. "Além da preparação técnica, os engenheiros devem desenvolver visão de negócio e sensibilidade social. Essa combinação qualifica-os para atuar colaborativa e coletivamente no enfrentamento dos grandes desafios da humanidade", reforça o prof. Nitz.

Concebido em 2008, o Programa GCSP da NAE é oferecido a estudantes atualmente em 74 universidades estadunidenses e outras 18 universidades homologadas em outras partes do mundo. Trata-se de uma grande oportunidade para os alunos, pois, por meio da estrita seleção e coordenação das suas atividades acadêmicas e praticamente sem acréscimo de carga adicional, o programa ajuda a ampliação da forte base técnica dos alunos para incluir também competências de interdisciplinaridade aplicada à solução de problemas, de empreendedorismo, de perspectiva global e multicultural e, sobretudo, de missão social.

O Instituto Mauá de Tecnologia demonstrou, durante o processo de avaliação, que sua visão para o aluno egresso da Instituição era muito semelhante à da NAE para o profissional capacitado a enfrentar os grandes desafios do futuro. "Essa realidade foi potencializada a partir de 2015 com a mudança física no Campus de São Caetano do Sul, permitindo a interação natural mais direta entre os alunos e professores das diversas graduações, reforçada pela mudança curricular que instituiu os Projetos e Atividades Especiais (PAEs), e pela mudança de perspectiva no corpo docente e discente auxiliada pelo surgimento da Academia de Professores e pela Academia de Talentos do IMT", reforça o prof. Joseph.

Ingresso no projeto

O IMT é uma das poucas instituições que pretende oferecer o programa não apenas a alunos de Engenharia, mas também aos de Design e Administração. Os alunos selecionados para o programa desenvolverão atividades coerentes com o tema de projeto GCSP-IMT escolhido desde a admissão até praticamente o final do curso e investirão de 24 a 36 meses para cumprir o programa customizado para cada aluno por um mentor dedicado. "Qualquer aluno do Instituto Mauá de Tecnologia poderá inscrever-se no Programa durante a época anual de recrutamento. Na etapa de seleção, o candidato deverá demonstrar razoável capacidade de comunicação e expressão na língua portuguesa e domínio intermediário da língua inglesa. Espera-se ter o engajamento de cerca de 20 alunos por ano, totalizando 60 alunos no final do terceiro ano de envolvimento no projeto. Os alunos contarão com o suporte particular de um mentor por aluno e mais o Comitê do projeto GCSP-IMT, constituído por 10 profissionais de diversas áreas da Instituição", lembra o prof. Joseph.

Para o IMT, o envolvimento no programa fortalece o desenvolvimento de competências que integram o perfil do egresso da Instituição, reforçando a excelência no desempenho da sua missão formadora de talentos. Os alunos, além de estarem mais bem preparados para uma carreira global em atuação e alcance, terão uma série de reconhecimentos que vão ocorrer desde a admissão no programa até a sua formatura, quando serão agraciados com certificados expedidos pela própria Academia Nacional de Engenharia dos EUA e pelo Instituto Mauá de Tecnologia.

"Os alunos participantes receberão valorosos benefícios para as suas respectivas carreiras, como um simpósio anual aberto quando exporão seus desenvolvimentos; terão apoio de parceiros para contato com problemas relevantes da sociedade (inclusive dos Engenheiros sem Fronteiras - Núcleo ABC); facilidades para realizar atividades no exterior e contarão com o reconhecimento de parceiros da Indústria. Como a Indústria está procurando profissionais cada vez mais completos e preparados, é quase certo que os egressos do Programa GCSP-IMT ganharão elevada empregabilidade ao se formarem", conclui o prof. Joseph.

Informações para a Imprensa
RPMA Comunicação - Assessoria de Imprensa do Instituto Mauá de Tecnologia
Rodrigo Santos (rodrigo.santos@rpmacomunicacao.com.br) (11) 5501.4637